Invoke the power of the vegetables!

INVOKE THE POWER OF THE VEGETABLES!

Hello, I am Verónica Castro. That's me in the video with my friend Kawá Huni Kuin.

The video you have just seen is a snippet of the Katchanawa, a chanting and dancing ritual to invoke the power of the vegetables. It is a call to the spirit of the vegetables, a call to secure abundant and healthy crops. Kawá and I filmed this in his village this year.

I met Kawá when I was doing anthropological fieldwork for my PhD with the Huni Kuin ethnic group in the indigenous territories along the river Jordão in the state of Acre, Brazil. The chief of Kawá's village asked Kawá (to ask me) if when I would return to Europe I would fundraise to build a school in his village. I thought about this carefully, and agreed to help under the condition that I would show Kawá how to fundraise himself and that upon his return to the village, he would teach (at least) two more people what he learned. Of course, I would coach and support him along the way. Kawá accepted the challenge. Now, I hand over the word to Kawá.

Hello, I am Kawá Huni Kuin. I live in the Amazonian rainforest, along the river Jordão in the state of Acre, Brazil. I belong to the Huni Kuin ethnic group. The name of my village is Nova Fortaleza, located approximately eight hours in canoe to the municipality of Jordão, a place with a population of 7,000 people. We call this, the “city”.

We are approximately 80 people in my village. The elders are around 50 years old and the rest of us are under thirty, and there are three times more women than there are men. Huni Kuin villages are generally composed of a village chief, a professor, an agro-forestry and health agent, a midwife, and a food provider (a cook) for the school.

The men in the family hunt and all members of the family go fishing regularly. Our diet is composed of banana, manioc, corn, various small river fish, and forest meat like wild chicken, squirrel, pig, and deer.

MY JOURNEY

I left my village in March 2018 with my friend Verónica who is hosting me in Europe, showing me what life is like here. This is my first time out of the forest, and I am being blown away by all of the different and exciting things here, like the buildings, bridges, airplanes, and the different languages and cultures.

People ask me, “What are your first impressions?” “What will you share with your village back in the forest?” These are big questions, and there is certainly a lot that the indigenous can learn from the white people, and plenty the white people can learn from us. But most of all, I've been struck by the diversity of food and vegetables in the European diet. And think, “How will I bring all of these vegetables to my village?”

THE PROJECT

Telling people about nutrition is not enough to change their eating habits, therefore we propose to build a school, a multipurpose space, in the village that will be dedicated to the two most important things for the Huni Kuin: food and culture.

The construction of this space is the first part of a long term project which aims to improve the nutrition of our growing population by bringing back diverse vegetables to our crops, and discouraging the foods that are replacing our native diet, such as refined white sugar and flour, fizzy drinks and frozen chickens.

This school will be a place from where we will:

- discuss our nutritional needs (i.e. how to adapt to the growing challenges to our hunters by eating and growing a variety of vegetables)

- “invoke the power of the vegetables” through song and dance

- exchange seeds amongst ourselves and with members of other villages

- exchange information with other villages about our agricultural practices (i.e. planting without chemical and costly pesticides)

- involve all members of the family, especially women and children, in a plan to produce and welcome new vegetables in our diet

- teach our community about nutrition

- be an example for other communities.
 
We intend to build a school large enough for us to be able to host guest speakers, members of other villages and outside visitors. The space will be run on solar panels and have a communal garden and a dry compost toilet. We will begin building shortly after the rainy season, around April 2020.

THE PROBLEM

The hunters in the village have to travel four or five hours from our village to areas where there are more roaming animals. And, sometimes, after days, they don't catch anything at all.

Back in the village, the women and children wait for their husbands, eating mostly only what is available, manioc and banana. Hunger is a familiar sensation for our families, and we have grown accustomed to eating a very limited diet, but the result of this is malnutrition, especially for our children.

That is only part of the problem. In the recent past, our diet has also grown to include, frozen battery house chicken, salt, refined sugar, white flour bread, biscuits, fizzy drinks and soy oil. We buy these elements from the “city”, which means we travel long distances by canoe from our villages to the shops, and gasoline is very costly.

HOW YOU CAN HELP

Join us to invoke the power of the vegetables by donating to build this school in Nova Fortaleza. Your donation will help us promote nutrition amongst the people of the Amazon and celebrate indigenous culture.

Let this call to the spirits of the vegetables expand throughout the globe!

Thank you!

                                    Haux! Haux!  Viva! Viva!

As a donor you will receive a regular newsletter informing you of our progress. When you donate the amounts stated below you will receive:


50 £/€ - a handmade beaded bracelet made by one of my sisters

(40 available)

70 £/€ - a handmade beaded necklace made by one of my sisters

(15 available)

80 £/€ - a set of four (4) woven table place mats, each with a different traditional design made by my mum

(10 available)

100 £/€ - a woven cloth, bath towel size made by my mum

(8 available)

300 £/€ - either a hand-woven vest or skirt made by my mum

(5 available)

500 £/€ - a hand woven single person hammock made by my mum

(4 available)

Gifts above 1,500 £/€ will have their name written on a plaque at the front of the school and these donors will be our guest at the school once the construction has been finished. I will meet you in the municipality of Jordão and bring you to my village in canoe where you will be greeted with song and dance by the village.


                                          (EM PORTUGUÊS)

CHAMANDO A FORÇA DOS LEGUMES!

Olá eu sou a Verónica Castro.
Sou eu no vídeo com o meu amigo Kawá Huni Kuin. Neste video, aquilo a que acabaram de assistir é apenas uma pequena parte do Katchanawa, um ritual de canto de dança para chamar a força dos legumes. É uma chamada ao espírito dos vegetais, uma chamada para assegurar que as plantações sejam abundantes e saudáveis. O Kawá e eu filmámos isto este ano na sua aldeia.

Eu conheci o Kawá enquanto fazia trabalho de campo para o meu doutoramento, no âmbito da antropologia. sobre o grupo étnico Huni Kuin nos territórios indígenas ao longo do rio Jordão no estado do Acre, Brasil. O chefe da aldeia do Kawá pedi-lhe (que me pedisse) que se quando eu voltasse à Europa, ajudaria a angariar fundos para a construção de uma escola na sua Aldeia. Pensei sobre o assunto e decidi aceitar mas apenas com a condição que eu mostraria ao Kawá como fazê-lo e ele mesmo arranjaria uma maneira de angariar esses fundos e que após voltar à sua aldeia, ele ensinaria pelo menos mais duas pessoas aquilo que aprendeu. E que ao longo deste seu percurso eu o apoiaria e ensinaria no necessário. O Kawá aceitou o desafio. Agora, passo a palavra ao Kawá.

Olá eu sou o Kawá Huni Kuin.
Eu vivo na floresta da Amazónia, ao longo do rio Jordão no estado do Acre, Brasil. Eu pertenço ao grupo étnico Huni Kuin. O nome da minha aldeia é Nova Fortaleza, localizada aproximadamente a 8 horas do município do Jordão, um sítio com uma população aproximada de 7,000 habitantes, chamamos a este sítio "a cidade".

Na minha aldeia somos aproximadamente 80 pessoas. Os mais velhos têm cerca de 50 anos e os restantes (como eu) têm menos de 30 e existem três vezes mais mulheres que homens. Nas aldeias Huni Kuin geralmente temos um chefe, um professor, um agente agro florestal, um agente de saúde, uma parteira e um cozinheiro para a escola.

Os homens da família geralmente caçam e os restantes membros vão à pesca regularmente. A nossa dieta é composta por banana, mandioca, milho, vários pequenos peixes do rio, carne da floresta como galinhas selvagens, esquilos, porcos e veados.

A MINHA VIAGEM

Eu deixei a minha aldeia em Março de 2018 com a minha amiga Verónica, que me está a acompanhar aqui na Europa, mostrando-me como é a vida aqui. Esta é a minha primeira vez fora da floresta e eu estou completamente deslumbrado como todas as novas coisas que estou a conhecer aqui, como edifícios, pontes, aviões, diferentes linguagens e culturas.

As pessoas perguntam-me, "Quais são as tuas primeiras impressões?", "O que vais partilhar com a tua aldeia quando voltares para a floresta?" Estas são grandes questões, e existem com certeza muitas coisas que os Indígenas podem aprender com o Homem branco, assim como Homem branco também pode aprender muitas coisas connosco.

Mas acima de tudo, fiquei admirado com a diversidade de comida e vegetais da dieta Europeia. Eu penso, "como poderei trazer todos estes vegetais para a minha aldeia?".

O PROJECTO

Falar com as pessoas sobre nutrição não é o suficiente para alterar os seus hábitos de alimentação, portanto propomos a construção de uma escola, um espaço polivalente que será dedicado às duas coisas mais importantes para os Huni Kuin: comida e cultura.

A construção deste espaço é a primeira fase de um projecto a longo prazo que visa o melhoramento da nutrição para a população crescente, trazendo diversos vegetais para as nossas plantações, e desencorajando o consumo de alimentos que estão a substituir a dieta nativa como, açucar e farinha refinados, refrigerantes e frango congelado.

Esta escola será um espaço a partir do qual poderemos:

- Discutir as nossas necessidades nutricionais (ex. a adaptação, por parte da dependência da caça, a novas soluções em termos de plantação e alimentação com novos vegetais)

- "Chamar a força dos legumes" através do canto e da dança

- Troca de sementes entre nós e outras aldeias

- Troca de informação com outras aldeias sobre as práticas agrículas (ex. plantação sem recurso a químicos e outros pesticídas)

- Invocação de todos os membros da família, especialmente as mulheres e as crianças, num plano de aceitação e produção de novos vegetais para as nossas dietas

- Ensinar a nossa comunidade sobre nutrição

- Sermos um exemplo para as outras comunidades.

Temos a intenção de construir uma escola grande o suficiente para que consigamos convidar oradores a darem palestras e constribuirem com o seu conhecimento assim como outros membros de outras aldeias e visitantes estrangeiros. O espaço será gerido com paineis solares, teremos um jardim comum e casas de banho secas. Iniciaremos a sua construção após a estação das chuvas, em Abril de 2019.

Infelizmente, num passado recente da nossa dieta, também começaram a fazer parte o frango de indústria congelado, sal, açúcar refinado, farinha branca refinada, biscoitos e óleo de soja. Sendo que todos estes alimentos estão armazenados na "cidade" que fica a horas de viagem das nossas aldeias, sujeitamos-nos a longas horas de viagem de canoa para adquirir estes produtos, sendo que a gasolina é cara.

O PROBLEMA

Os caçadores da aldeia têm de viajar cerca de 4 a 5 horas até áreas onde ainda existam animais suficientes para caçar. E por vezes, após dias, eles não conseguem caçar nada.

Enquanto isto, na aldeia as mulheres e crianças esperam os seus maridos, comendo essencialmente o que está disponível, mandioca e banana. A fome é uma sensação familiar para nós, estamos habituados a esta dieta limitada e o resultado disso é a má nutrição especialmente nas crianças.

COMO PODE AJUDAR

Junte-se a nós para chamar a força dos legumes, doando para a construção desta escola em Nova Fortaleza, ajudar-nos-à a promover as questões de nutrição entre os povos da Amazónia e a celebrar a cultura indígena.

Chamemos os espíritos dos vegetais para que se faça sentir a nível global!

                                    Haux! Haux! Viva! Viva!

Como contribuidor receberá a nossa newsletter regular que o informará acerca do progresso da construção da escola. De acordo com o valor da sua doação, nós oferecemos:

50 € - uma pulseira de missangas feita à mão por uma das minhas irmãs

(40 disponiveis)

70 € - um colar de missangas feito à mão por uma das minhas irmãs

(15 disponiveis)

80 € - um conjunto de quatro bases para os pratos, cada um com um desenho tradicional diferente feito pela minha mãe

(10 disponiveis)

100 € - um pano tecido, do tamanho de uma toalha de banho, feito pela minha mãe

(8 disponiveis)

300 € - um colete ou uma saia, tecidos à mão pela minha mãe

(5 disponiveis)

500 € - uma cama de rede, tamanho solteiro, feito pela minha mãe

(4 disponiveis)

Apoiantes com doações acima dos 1,500 € terão o seu nome gravado numa placa à entrada da escola e serão nossos convidados na escola assim que a construção tenha terminado. Eu irei ao seu encontro, no município de Jordão, e trazê-lo-ei de canoa para a minha aldeia onde será recebido com música e dança pelo meu povo.

Donations

  • Maya Medvesek 
    • £600 
    • 6 mos
  • Anonymous 
    • £50 
    • 7 mos
  • Anonymous 
    • £107 
    • 7 mos
  • Neil Kirwan 
    • £250 
    • 7 mos
  • Lina Vlasova 
    • £45 
    • 7 mos
See all

Organizer and beneficiary

Kawá Huni Kuin 
Organizer
Manchester, North West England, United Kingdom
veronica castro 
Beneficiary
  • #1 fundraising platform

    People have raised more money on GoFundMe than anywhere else. Learn more

  • GoFundMe Guarantee

    In the rare case that something isn’t right, we will refund your donation. Learn more

  • Expert advice, 24/7

    Contact us with your questions and we’ll answer, day or night. Learn more